Uribe pede, sinaliza, mas fica isolado e cumpre mais um jogo de agonia no Fla

A cena se repetiu durante boa parte dos 72 minutos em que Fernando Uribe ficou em campo no empate sem gols com o Corinthians, nessa noite de quarta-feira no Maracanã. Entre os zagueiros Henrique e Léo Santos, o jogador colombiano aponta para o companheiro onde quer receber a bola. Levanta o braço e pede o cruzamento. Sai da área, toca para a lateral, corre e… nada.

Num elenco com cinco estrangeiros, nenhum se sente tão solitário quanto Uribe. E não é apenas a barreira da língua – que o colombiano já até supera com desenvoltura em pouco mais de dois meses de Flamengo. O fato é que meias, atacantes e laterais pouco procuram Uribe em campo – o que também acontece, por vezes, com Henrique Dourado em campo.

Mais uma vez Uribe tocou pouco na bola. Sua única finalização levou perigo – no desvio no primeiro pau após escanteio cobrado por Diego, no primeiro tempo. E foi pelo alto que mostrou mais utilidade. Em outros dois lances, tentou ajeitar de peito para Vitinho e ganhou pelo alto para a bola chegar no camisa 14, com a zaga corintiano levando a vantagem na sequência do lance.

Em rara entrevista desde sua chegada – Uribe falou depois de marcar o seu único gol em 12 jogos, diante do Sport (4 a 1) -, o centroavante colombiano, que ostentou média de 0,51 gol por partida no Toluca, em sua última temporada, transpareceu frustração com seu início e admitiu a dificuldade no entendimento com seus novos companheiros.

– O início é difícil, mas estamos trabalhando para melhorar. Sei da responsabilidade, o que “la gente” quer… Ainda precisa melhorar muitas coisas. Estou em processo de conhecer os companheiros, o que eles fazem, mas eu que quero quero melhorar – disse o jogador.

O entrosamento – ou a falta dele – foi nítido em algumas jogadas do empate dessa noite de quarta. Éverton Ribeiro buscou lançamento para Uribe no primeiro tempo, mas o colombiano errou o tempo da bola. Vitinho cruzou por cima e pelo alto e o centroavante não alcançou a bola em mais de uma oportunidade. Rodinei foi na ponta e chutou a gol ao invés de buscar o companheiro. Esta foi a tônica do isolamento de Uribe em campo.

Globo Esporte

Compartilhe!