Opinião: Para o bem e para o mal, Flamengo é o time que pode mudar o CBLoL definitivamente

Neste domingo (15), vai acontecer a Série de Promoção do CBLoL, na qual o time do Circuito Desafiante disputa uma vaga na competição. A equipe que já está confirmada nessa série é o Flamengo e, para o clube, só existem duas opções: vencer ou vencer. Essa pressão, que vem sendo discutida entre os especialistas há algum tempo, não recai apenas nos jogadores, mas também no cenário competitivo de League of Legends como um todo.

Desde que o Clube de Regatas Flamengo anunciou que estava criando uma equipe de esports, formando assim o Flamengo eSports, a iniciativa trouxe um panorama de euforia, afinal, esse projeto era diferente de todas as investidas anteriores dos clubes de futebol – era uma abordagem na qual o próprio Rubro-Negro estaria supervisionando o trabalho da então Cursor ESports, atual Go4It.

Esperava-se que o time viria com toda a experiência dos esportes tradicionais voltada para os esports e que essa mesma experiência seria a responsável por levar o time da “série B” ao CBLoL num piscar de olhos. A vaga direta, sem ter que passar pela árdua Série de Promoção, era o objetivo. Infelizmente para o Clube, essa chance escorreu por entre os dedos, e agora a batalha para subir esse degrau é inevitável.

No próximo domingo, o Flamengo vai para esse campo de batalha e tem que estar preparado para disputar essa vaga indiferente do time que for enfrentar. A pressão em cima das suas estrelas, da Go4It e até da instituição é enorme por conta de sua importância para o cenário, para a comunidade e até para a própria Riot Games.

Talvez você já imagine alguns dos motivos que fazem a presença do Flamengo no CBLoL ser tão importante. O clube vai atrair novas oportunidades de negócios (patrocínios, criação de conteúdo, divulgação etc.) para o próprio Clube de Regatas e também para todas as equipes que o enfrentarão no campeonato. Ele também vai atrair uma maior atenção ao torneio tanto pela imprensa especializada, como também pela grande mídia.

No CBLoL, o Fla mostraria com mais clareza as vantagens da adoção de uma Gaming Office ao invés de uma Gaming House, escancarando um novo grau de profissionalismo para os jogadores, e exibiria aos rivais da bola o jeito certo de mergulhar nesse cenário – o que diminuiria a entrada de clubes que apenas querem se aproximar de um novo público sem se dedicar a isso realmente.

Todos esses pontos já foram citados em diversas discussões anteriores, mas existe algo que poucos se atentaram, que é o fato da subida do Flamengo também ser muito importante para a Riot por diversos motivos e, talvez, seja até um fator para definir o futuro de seu esport.

ARRASTANDO MULTIDÕES

Vamos recapitular alguns pontos que afetaram o CBLoL recentemente e que poucos prestaram atenção. Desde o meio do ano passado, o time de ídolos do CBLoL vem murchando. Começou com a saída do então o maior streamer do Brasil, Felipe “YoDa” Noronha, que “desistiu” dos esports para focar em sua carreira de entertainer (agora YoDa refaz seu caminho no circuito aberto, tentando levar seu time, o Submarino Stars, para o ‘Circuitão’).

No final do ano passado, o CBLoL recebeu mais duas baixas: a saída de Matheus “Mylon” Borges e Gabriel “Kami” Bhom do CBLoL. Mylon se aposentou em definitivo – ele deixou isso bem claro em sua aparição na 4ª rodada – e Kami está dedicando todo seu tempo para fazer streams e seu curso de piloto, mas ainda não descarta voltar ao competitivo no futuro. Outra baixa importante foi a própria saída de Felipe “brTT” Gonçalves do CBLoL para defender o Flamengo no Circuito Desafiante.

Ficando apenas nesses nomes dá para notar que o CBLoL estava perdendo suas principais estrelas. YoDa e brTT têm por volta de 750 mil seguidores nas redes sociais; Kami, 600 mil, e Mylon, 250 mil. Ficaram poucos astros com milhares de seguidores e fãs no CBLoL, como é o caso de Gabriel “Revolta” Henud (290 mil seguidores); Rafael “Rakin” Knittel (com quase 200 mil); Gustavo “Minerva” Alves (com 110 mil); e Alanderson “4lan” Meireles (que está chegando aos 100 mil). Num olhar rápido, isso pode ter sido um fator pelo qual o CBLoL não teve a mesma “aura” nas redes sociais do que em anos anteriores.

Isso é terrível para o torneio, afinal, o CBLoL é a principal ferramenta que a Riot usa para fazer o marketing de League of Legends. Sem a presença dos principais ídolos no campeonato, os espectadores do CBLoL passam a acompanhá-los em outras plataformas, mas sem o mesmo afinco que faziam nas tardes de sábado e domingo.

Nesse meio tempo, a liga não conseguiu criar novas lendas. Os principais jogadores da atualidade ainda estão cativando seus fãs, como é o caso de Marcel “Ayel” Melo que tem 65 mil seguidores e Alexandre “TitaN” Lima, que ainda nem chegou a 30 mil seguidores nas redes sociais. Com o Flamengo no CBLoL, seria o retorno do “pai” e de Thúlio “SirT” Carlos (que, mesmo não sendo tão influente como nos tempos da paiN, ainda ostenta 220 mil seguidores em seu Twitter). É evidente que a entrada do clube no CBLoL não é sinônimo de quebra de recordes, mas com toda certeza aumentaria a relevância e engajamento para o campeonato.

Por outro lado, caso o Flamengo não passe por seu adversário, quem se beneficiaria seria a Promo Arena, que teria o Rubro-Negro em mais uma temporada, além da paiN Gaming, que apesar de ter sido rebaixada automaticamente, é o clube de esports com o maior número de torcedores. Seria uma grande vitória para os organizadores do ‘Circuitão’.

O LADO NEGATIVO DO FLAMENGO

Mas nem tudo são flores. O Flamengo traria também alguns fatores que mudariam para sempre o CBLoL. No Desafiante, o time ficou recluso e usou a desculpa de estar completamente focado, fazendo todo o possível para evitar o assédio da imprensa e dos criadores de conteúdo.

Foram raras as ocasiões que o Clube cedeu entrevistas de seus jogadores para os sites e canais especializados. Os torcedores tiveram que se acostumar em receber informações do time e seus jogadores apenas pelas redes sociais – o que é um retrocesso na cobertura do esport. Não existe nenhum indicativo de que essa política mudaria caso o time chegasse à elite do LoL.

Outra coisa que precisaria ser acertada é o investimento que o clube poderia fazer para se manter no cenário. Por um lado, isso é extremamente importante para o crescimento, porém é preciso lembrar que nenhum outro time do CBLoL possui a mesma verba que o Flamengo tem para injetar na compra de jogadores e comissão técnica, algo que tem um grande potencial para acabar de vez com a frase “O CBLoL mais disputado de todos os tempos”. Com esse poder comercial, o Flamengo poderia se tornar um “buraco negro”, puxando para si os melhores patrocínios e deixando os outros times com menos recursos para investir em pessoal.

De qualquer forma, a hora da decisão está chegando e existe muita coisa em jogo no Rift além do Nexus.

ESPN

Compartilhe!